quinta-feira, 27 de junho de 2019

Lula morre na cadeia e Moro vai embora

O Supremo (sic) poderia ter mandado o Lula esperar em casa o julgamento da imparcialidade (sic) do Moro. Preferiu manter o Lula em cana, onde morrerá, como sempre quiseram as casas Grande e Branca.

Mas, o Moro se tornou carga pesada. O Intercept desfechou-lhe um tiro no peito.

Será preciso fazer então o “grande “acordo”! O ministro Celso de Mello o lavrará na edificante companhia do...

De quem?

A TV Afiada sabe!

terça-feira, 11 de junho de 2019

Advogado deixa defesa de Najila, mulher que acusa Neymar de agressão e estupro

O advogado Danilo Garcia de Andrade afirmou na noite desta segunda-feira (10) que deixou a defesa de Najila Trindade Mendes de Souza, que acusa Neymar de agressão e estupro. Ele disse que "não participaria de uma ilicitude para lograr proveito econômico de quem quer que seja" e por isso não se sente mais confortável para o trabalho. Neste sábado (8), ele havia afirmado que poderia abandonar o caso, se a cliente não apresentasse as provas que diz ter contra o jogador.
Najila Trindade saiu carregada de delegacia em SP após prestar depoimento — Foto: Amanda Perobelli/Reuters
Por mensagem, ele disse ao G1 que "jamais, advogaria para alguém que colocasse a minha integridade em questão. Que jamais participaria de qualquer ilicitude para lograr proveito econômico de quem quer que seja. Acredito na boa advocacia, nos valores da moral e da boa conduta."

Andrade ainda afirmou que "como advogado, vezes estamos pela vítima, vezes estamos pelo cliente, contudo, a opinião pública deve ser esclarecida, que a pessoa do advogado não é a pessoa de seu cliente."

Este é o segundo advogado que deixa de atuar na defesa de Najila. Na segunda-feira (3), o escritório de advocacia que tinha sido contratado por ela rescindiu o contrato com a cliente alegando que ela havia relatado para os advogados que havia sofrido uma agressão, mas não mencionou estupro.

Segundo as alegações do escritório Fernandes e Abreu Advogados, a mulher relatou a eles que “a relação mantida com Neymar Jr. foi consensual, mas que, durante o ato, ele havia se tornado uma pessoa violenta, agredindo-a, sendo esse o fato típico central (agressão) pelo qual ele deveria ser responsabilizado cível e criminalmente”. O escritório divulgou o documento da rescisão do contrato.

Furto de tablet
Na sexta-feira (7), Najila afirmou, em depoimento à polícia, que o vídeo de sete minutos que ela gravou no hotel, no segundo encontro com Neymar, estava em um tablet que foi furtado em seu apartamento, em São Paulo.

Policiais especializados analisaram as marcas na porta do apartamento de Najila e só encontraram impressões digitais dela e da empregada.

A modelo disse que não registrou a invasão do apartamento porque não sabe ao certo o que foi levado. Só deu falta do tablet, de um relógio e de uma quantia em dinheiro que estava em uma bolsa.

Até agora, só foi divulgado um minuto do vídeo. Neste trecho, Najila bate em Neymar. Nos outros seis minutos, segundo ela, haveria elementos que comprovariam que o jogador a agrediu no dia anterior.

Porteiro ameaçado
O porteiro do prédio onde mora a modelo Najila Trindade foi na tarde desta segunda-feira à 6ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), na Zona Sul de São Paulo, prestar depoimento e registrar um boletim de ocorrência contra ela. Ele saiu sem falar com a imprensa.


Segundo depoimento ao qual a TV Globo teve acesso, o porteiro afirmou que foi à delegacia por ter sido ameaçado e se sentir coagido pela modelo.

De acordo com o porteiro, Najila teria dito a ele: "Sua conversa é comigo, você falou com todo mundo menos comigo que sou a dona do apartamento, tô aqui com meu irmão e com uma galera e você sabe o que é, vai ser melhor pra você". O porteiro pediu à polícia medidas de proteção para garantir sua integridade física.

O advogado Danilo Garcia de Andrade disse também que Najila relatou a ele que tem provas guardadas num cofre, mas que ele ainda não teve acesso ao material.

No depoimento de sexta à Polícia Civil de São Paulo, a modelo deu duas versões diferentes sobre o segundo encontro que teve com o jogador em Paris.

Na primeira, disse que gravou todo o encontro. Em seguida, mudou a versão e disse ter desligado o celular porque teve medo de que Neymar percebesse.

Após o depoimento de seis horas, Najila passou mal e deixou a delegacia carregada pelo advogado. A defesa de Neymar disse que o jogador deve depor na próxima semana.

Conteúdo do depoimento
A TV Globo teve acesso ao conteúdo do depoimento. Najila contou à polícia que seguia Neymar em uma rede social e que, em fevereiro, fizeram contato e trocaram telefones. Em maio, combinaram a viagem dela a Paris — as passagens aéreas e o hotel foram pagos pelo jogador.


A modelo reiterou que Neymar foi ao hotel lhe encontrar e que os dois se beijaram. Em um momento, segundo ela, o jogador começou a dar tapas. Ela disse que não falou nada, mas que, minutos depois, percebeu que ele estava mais agressivo e reclamou.

Segundo Najila, neste momento ela perguntou se ele tinha camisinha. Neymar respondeu que não e ela disse que achava melhor eles ficarem "só na pegação".

Najila contou que o jogador a segurou com força pelo quadril e fez sexo com ela sem o seu consentimento.

Crise de choro
O depoimento foi interrompido algumas vezes. Najila chorou e estava muito nervosa. Ela teve uma crise de choro quando relatava o sexo não consensual e, neste momento, a delegada responsável pelo caso parou de fazer perguntas.

Rosângela, amiga de Najila que a acompanhou no momento em que a modelo registrou o boletim de ocorrência do caso, também prestou depoimento e saiu sem falar com os jornalistas.

Neymar
A advogada de Neymar, Maíra Fernandes, esteve na delegacia que investiga o caso para ter acesso ao depoimento de Najila. Ela disse que o jogador prestará depoimento em São Paulo no início da próxima semana.

"Ele tem todo interesse em prestar depoimento, esclarecer tudo o que for necessário", afirmou. "Eu posso dizer que a defesa do Neymar acredita plenamente na defesa dele e vai provar."

O juiz Paulo Roberto Sampaio Jangutta, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, negou um pedido para paralisar o inquérito instaurado pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática. O pedido foi feito por advogados alheios ao processo.

Nesse inquérito, a polícia apura quem é o responsável pelo vazamento de imagens íntimas de Najila. O jogador Neymar disse à polícia que foram assessores os responsáveis pela publicação, em uma rede social, do vídeo com as fotos da modelo.
Advogado deixa defesa de Najila, mulher que acusa Neymar de agressão e estupro

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Exclusivo: assista à entrevista do Domingo Espetacular com Najila Trindade


Na manhã deste domingo (9), a modelo que acusa Neymar de estupro recebeu o repórter Raul Dias Filho. Uma semana depois de registrar o boletim de ocorrência, Najila reafirmou a acusação e disse ser vítima de um complô. 
Visivelmente mais abatida, ela interrompeu a entrevista algumas vezes para chorar e chegou a passar mal.

quinta-feira, 21 de março de 2019

Em meio a derrotas no STF, prisão de Temer traz fôlego para Lava Jato


Os mandados de prisão do ex-presidente Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro.

sexta-feira, 15 de março de 2019

Governador reforça o combate à corrupção nos órgãos estaduais

Caiado participou da reunião técnica do Compliance Público
“A máquina do Estado não pode ser distorcida, e por isso vocês terão ampla liberdade para levantar todas as possibilidades de desvios nos órgãos dessa administração. Sejam intransigentes em seu trabalho para garantir que os recursos públicos de nosso Estado atendam verdadeiramente os goianos”.

Essa foi a principal mensagem do governador Ronaldo Caiado aos gestores de Finanças e Controle da Controladoria-Geral do Estado (CGE) durante a primeira reunião do grupo de trabalho que fará a implantação da gestão de riscos do Programa de Compliance Público nos órgãos e entidades do Poder Executivo, realizada nesta sexta-feira, dia 15,  no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, em Goiânia.

Após convite do controlador-geral, Henrique Ziller, o governador parou a agenda para participar da reunião e fez questão de reforçar o apoio aos técnicos da CGE que ao longo dos próximos quatro meses realizarão as atividades de consultoria, orientação e apoio na implantação da gestão de riscos em 17 secretarias e autarquias, responsáveis pela movimentação de 90% dos recursos financeiros do Estado. Caiado afirmou que esse trabalho de prevenção à corrupção na máquina pública por meio do compliance é um dos principais programas de seu governo e estará presente em todos os órgãos.

A implantação da gestão de riscos será realizada em duas etapas. Inicialmente, o grupo de trabalho da CGE, composto de 26 técnicos, terá 120 dias a partir de 15 de março para consolidar o modelo nos 17 primeiros órgãos e, depois, até 30 de novembro nos demais 15 órgãos do Executivo estadual.

 As primeiras secretarias e autarquias a implantar a gestão de riscos serão a Controladoria-Geral do Estado; Procuradoria-Geral do Estado; Secretaria da Administração; Secretaria da Economia; Secretaria da Educação; Secretaria da Segurança Pública; Polícia Militar; Polícia Civil; Corpo de Bombeiros Militar; Secretaria da Saúde; Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Secretaria de Desenvolvimento Social; Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços; Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes; Departamento Estadual de Trânsito; Goiás Previdência; Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás; Universidade Estadual de Goiás e Saneamento de Goiás S/A.

A gestão de riscos nos órgãos terá como produtos em cada instituição o estabelecimento da política de gestão de riscos; constituição da estrutura do Comitê Setorial de Compliance Público; elaboração da matriz de riscos; elaboração do plano de ação de controle para tratamento de riscos; elaboração do plano de comunicação de riscos e o estabelecimento dos relatórios de gerenciamento de riscos e de atividades do responsável pelo gerenciamento de riscos. Após a finalização desse trabalho, caberá ao órgão administrar a continuidade do programa e garantir o combate à corrupção e aos desvios de conduta.

O gesto me traz convicção de que Goiás vai mudar, diz Caiado ao receber agente prisional

Maicol recusou tentativa de suborno de um detento
O governador Ronaldo Caiado prestou reconhecimento nesta sexta-feira, dia 15,  ao agente de segurança prisional do Presídio Estadual de Anápolis, Maicol Victor Barbosa, que recusou tentativa de suborno de um reeducando ligado ao Primeiro Comando da Capital, organização criminosa com atuação em Goiás. O agente foi recebido no gabinete do governador no Palácio das Esmeraldas ao lado do secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, e do diretor geral da Administração Penitenciária, coronel Wellington de Urzêda Mota.

“O que aconteceu é algo de uma importância ímpar para nós. Merece o nosso reconhecimento pois foi um gesto que me sensibilizou profundamente. Me traz a convicção de que Goiás vai mudar. O que estamos assistindo hoje é algo que mostra a determinação das pessoas em combater o crime e a corrupção”, elogiou o governador.

No gabinete, Ronaldo Caiado assinou uma carta de elogio ao agente e garantiu que o governo irá render homenagens a todos aqueles que tiverem o mesmo compromisso com a gestão pública. “Hoje é um elogio que faço, mas transformaremos isso numa distinção especial a todos que tiverem comportamento semelhante ao do agente. Isso fará parte do currículo dele e vai auxiliar para que galgue cargos maiores dentro da estrutura penitenciária”, completou.

O agente Maicol Victor Barbosa não escondeu a alegria por ter seu gesto reconhecido. “Para mim é uma satisfação enorme. É muito bom quando a gente desempenha um papel ser conhecido. Desempenho meu trabalho dentro dos princípios que aprendi em casa, da honestidade e da dignidade”, afirmou.

Com um histórico de trabalho na segurança pública, o coronel Wellington de Urzêda Mota garantiu que é a primeira vez que um governador recebe em seu gabinete um agente penitenciário para render homenagens. “Não houve na história de Goiás um governador que recebesse um agente no Palácio. Esse reconhecimento é muito importante para todos nós. O agente, com esse gesto, representa todo o Estado e traz reconhecimento a todos os servidores da Administração Penitenciária”, afirmou.

Entenda

O agente Maicol Victor Barbosa, pertencente à 9ª Regional Prisional da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária, deu voz de prisão ao detento que lhe ofereceu dinheiro para que o mesmo entrasse com cerca de 15 aparelhos de celulares na última quarta-feira (14/3). A tentativa de suborno ocorreu durante o banho de sol no pátio do presídio.

A proposta foi inicialmente de forma verbal, quando o reeducando Heyder Oliveira Batista Ribeiro Da Silva questionou o servidor se o mesmo gostaria de receber um dinheiro extra. Logo após lhe foi entregue um bilhete onde continha valores a serem pagos pela entrega dos aparelhos. Ao tentar acordar com o servidor, o reeducando propôs o pagamento de R$ 50 mil a R$ 100 mil para que o agente entregasse até 15 aparelhos. Imediatamente o servidor deu voz de prisão ao detento, além de iniciar o procedimento operacional padrão (POP) para as providências legais.

O reeducando, que responderá por corrupção ativa (artigo 333 do Código Penal), foi encaminhado à delegacia da cidade, onde foi lavrado o auto de prisão em flagrante.

terça-feira, 12 de março de 2019

Marielle Franco: um ano de um crime sem solução

A Delegacia de Homicídios da Capital e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MPRJ) prenderam na manhã do dia 12 de março o sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa, de 48 anos, e o ex-PM Elcio Vieira de Queiroz, de 46 anos, suspeitos de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Na semana anterior às prisões, as mortes da parlamentar e de seu motorista completaram um ano. 
Segundo a denúncia do Ministério Público do Rio, Lessa teria atirado nas vítimas, e Elcio era quem dirigia o carro usado na emboscada. De acordo com a denúncia da promotoria, o crime foi "meticulosamente" planejado três meses antes. 
Os denunciados foram presos às 4h desta madrugada. Além das prisões, a operação cumpriu mandados de busca e apreensão nos endereços dos denunciados para recolher documentos, telefones celulares, computadores, armas, acessórios, munições e outros objetos. O presidente Jair Bolsonaro se pronunciou, dizendo que espera que a investigação chegue aos mandantes do crime. 
As prisões dos envolvidos no assassinato de Marielle foram destaque na imprensa internacional.

sexta-feira, 8 de março de 2019

Violência contra mulher: apenas 10% das vítimas denunciam


Em entrevista, a diretora de conteúdos do Instituto Patrícia Galvão, Marisa Sanematsu, analisa dados sobre violência contra a mulher.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Segundo dados do G1, número de mortes violentas cai mais de 10% no Brasil em 2018



O Brasil teve uma redução de 13% no número de mortes violentas em 2018. É o que mostra um levantamento feito pelo G1 com base nos dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal. Foram registrados 51.589 assassinatos no ano passado, ante 59.128 em 2017.

Apesar da queda, o número de vítimas ainda é alto. São 24,7 mortos a cada 100 mil habitantes.

O levantamento faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

sábado, 23 de fevereiro de 2019

"Não vamos fazer nada. A soberania venezuelana tem de ser respeitada", diz ministro da Defesa

Publicado originalmente no DefesaNet
Mesmo com o conflito registrado nesta sexta-feira, 22, na região da fronteira, o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, disse ao Estado que “não há possibilidade de confronto militar” entre Brasil e Venezuela. “A determinação que nós recebemos do presidente Jair Bolsonaro é de que, de jeito nenhum, as Forças Armadas brasileiras atravessarão a fronteira” para levar ajuda humanitária aos venezuelanos.

O Brasil poderá entrar na Venezuela para levar alimentos e medicamentos?

De jeito nenhum as Forças Armadas brasileiras atravessarão a fronteira. A ajuda se dará pelo lado brasileiros, com o abastecimento de caminhões venezuelanos, dirigidos por motoristas venezuelanos. O Brasil não entrará em território venezuelano. Esta já é a segunda operação humanitária e logística. Nós vamos nos preposicionar na faixa de fronteira com medicamentos, gêneros para que os venezuelanos ou as autoridades constituídas venham apanhá-las aqui. De forma alguma nós vamos manter qualquer ingerência em relação ao território venezuelano. É uma operação simplesmente humanitária, de levar uma possível ajuda para fronteira Brasil-Venezuela, para que os venezuelanos venham pegar isso aqui.

E se eles não conseguirem passar para o lado brasileiro ou regressarem para o lado venezuelano?

Os medicamentos e alimentos estarão à disposição dos venezuelanos assim que eles puderem vir buscar, a partir deste dia 23 de fevereiro. A determinação que nós recebemos do presidente Jair Bolsonaro é de que, de jeito nenhum, as Forças Armadas brasileiras atravessarão a fronteira para levar ajuda humanitária aos venezuelanos. A ajuda se dará pelo lado brasileiro, com o abastecimento de caminhões venezuelanos.

Houve mortes do lado de lá. Se esse quadro se repetir, o Brasil pode agir, fazer alguma coisa para defender os venezuelanos?

Não vamos fazer nada. Não temos ingerência sobre território venezuelano. A soberania venezuelana tem de ser respeitada.

Há preocupação com confrontos de tropas brasileiras e venezuelanas?

Nenhuma preocupação em relação a isso. Não há motivo para isso. Não há motivo para um confronto entre tropas brasileiras e venezuelanas. Não tem essa possibilidade. Não haverá isso. Não há possibilidade de confronto militar.

Há prontidão na fronteira brasileira por conta da tensão na Venezuela? Ou aumento de pessoal na fronteira?

Nenhuma. A posição das nossas forças no local é de completa normalidade.

Não seria natural que se aumentasse o número de militares na fronteira diante de uma possibilidade de confronto?

Não. Não aumentamos número de militares porque não há possibilidade de confronto.

Circularam informações de que o presidente Madurou posicionou o Sistema de Mísseis de Defesa Aérea próximo à fronteira com o Brasil? O governo tem essa confirmação? É uma atitude hostil?

Nenhuma informação a respeito disso. Não vejo essa possibilidade como informação verdadeira.

Arquivo do blog

Seguidores