Assuntos de Goiás TV

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

PM e Bombeiros do DF e do ES ameaçam entrar em greve @Reinaldo_Cruz @Assuntosdegoias @Goianao2012 @Paulistao_2012

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta quarta-feira (8) que o governo “está preparado” para possíveis greves de policiais militares de outros estados. O ministro se reuniu durante a noite com o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, no Palácio Laranjeiras, na Zona Sul.

“Parece curioso que, em alguns casos, líderes querem mais a greve do que a negociação. Queiram mais a confusão do que a obtenção de ganhos para a categoria dos policiais. Isso tem chamado a atenção, e eu posso dizer que ao se repetir isso em qualquer estado, o governo federal está preparado para agir com as suas tropas, sempre em conjunto e coordenação integrada com o governo dos estados”, disse.
Cardozo afirmou ao G1 que o governo não vai negociar anistia a policiais militares grevistas que cometam atos de vandalismo em qualquer estado da federação. Ele fez a afirmação depois de assistir à exibição, pelo Jornal Nacional, de conversas, gravadas com autorização judicial, em que grevistas da Bahia fazem acertos para a realização de ações de vandalismo. Os policiais militares baianos estão em greve desde 31 de janeiro.
O ministro afirmou que é uma prova de que há uma relação entre alguns lideres do movimento e atos criminosos realizados contra a população. Cardozo disse que o governo está tomando providencias para que os responsáveis sejam punidos.
“As gravações confirmam que há uma relação clara entre alguns lideres da greve da Bahia com atos de vandalismo que são realizados para aterrorizar a população. Ou seja, está claro, indiscutivelmente, essa relação de que há prática de atos criminosos contra a população para criar um clima para pressionar os governos”.
De acordo com o ministro, as conversas telefônicas demonstram que é correta a atitude dos governos estadual e federal de recusar anistia aos grevistas que tenham cometido atos de violência.

"Esta é mais uma razão para mostrar a correção da postura do governo federal e do governo da Bahia de não desistir de aplicar soluções penais para punir os acusados de atos de vandalismo", declarou. “Os governos federal e dos estados têm agindo corretamente. Portando, não pretendem negociar nenhuma anistia para esses crimes. Policiais que comentem crimes, devem ser punidos como qualquer cidadão comum” , afirmou.
Segundo o ministro, a presidente Dilma Rousseff deu ordem para que seja assegurada a segurança da população da Bahia. "Em hipótese alguma o governo federal vai permitir que a sociedade seja ameaçada por atos de vandalismo que sejam usados para pressionar o governo", afirmou o ministro.
Rio de Janeiro
Cardozo participou na noite desta quarta, no Rio de Janeiro, de uma reunião com Sérgio Cabral e o comandante do Exército, general Enzo Martins Peri. Segundo o ministro, a reunião já estava marcada para tratar de ações de combate ao crack, mas ele disse que a greve dos policiais também foi discutida.
"Essa situação no Rio de Janeiro confirma a gravidade da postura de alguns líderes que estão atuando e deixa clara a conexão dos comandos de greve com atos de vandalismo", afirmou o ministro.
Ele se referiu aos trechos das gravações divulgadas pelo Jornal Nacional que mostram articulações para que a paralisação de PMs se estenda para outros estados, entre os quais o Rio de Janeiro, onde, segundo as gravações, líderes grevistas baianos têm expectativa de que se inicie uma paralisação.
De acordo com o ministro, o governador ainda não solicitou o apoio das tropas. Eduardo Cardozo garantiu que haverá carnaval, não só na Bahia e Rio de Janeiro, como também em outros estados. “Nós estaremos junto com os governos dos estados, encaminhando tropas, para que o carnaval se realize na absoluta tranquilidade”’, disse.
Reforço
O ministro da Justiça voltou a afirmar que o governo está preparado para enviar quantos homens forem necessários para reforçar a força de segurança na Bahia e garantir a segurança da população.
Segundo o ministro, até esta quinta-feira (9) já serão cerca de 4,5 mil homens do Exército, Força Nacional e Polícia Federal atuando na Bahia. “O governo federal e o governo da Bahia vão fazer o que for necessário, inclusive o envio de mais tropas, para promover a segurança no estado”, disse.

Policiais Militares e Bombeiros do Distrito Federal ameaçam entrar em greve

Seguidores