Assuntos de Goiás TV

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Temendo pelo pior na próxima fase da operação, Odebrecht age para tentar anular provas da Lava Jato

Ainda não citada no processo diretamente, mas segura de que esta sendo investigada pelo Ministério Público, em parceria com a Suíça, a Odebrecht tenta invalidar a operação Lava Jato. Advogados da empreiteira de Marcelo Odebrecht questionaram em audiência com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a legalidade de provas obtidas no país europeu.

Os gestores da empreiteira não foram presos junto com os demais nas fases aneteriores da operação, mas sendo a maior empreiteira do país, a Odebrecht não deve faltar na festa quando o núcleo político for citado, a movimentação para que os estragos na construtora sejam mínimos já começaram, mas o Juiz Sérgio Moro parece que não quer ou não é dado a pizza que estão pensando em servir.

Eles levantaram a suspeita de que os procuradores obtiveram informações bancárias na Suíça antes que o Ministério da Justiça cumprisse os trâmites oficiais de cooperação internacional. Se assim for, a empresa poderá pedir à Justiça para anular as provas obtidas ou impedir que sejam usadas no Brasil.

Questionado sobre a agenda com advogados, o ministro da Justiça afirmou que a empresa levou dois assuntos para a reunião: um sobre vazamento de informações em inquérito, e outro sobre um tema que não podia ainda ser divulgado.

“A empresa Odebrecht disse que ao longo da Operação Lava Jato, havia vazamentos ilegais que atingiam a empresa, que isso qualificava uma clara ofensa à lei, e que eu havia mandado abrir inquérito para apurar esses vazamentos, o que é verdade. E queixavam-se [os advogados] que o inquérito não estava sendo tocado adequadamente pela Polícia Federal (PF)”, disse. 

Cardozo defendeu ser a pessoa indicada para receber questões relacionadas à PF, que é subordinada ao ministro da Justiça. Ressaltou que, eventualmente, em casos de queixa, ou se dirigem ao diretor da PF ou ao ministro. 

Ele destacou, porém, que não intervém em investigações. "Não devo intervir. Não devo efetivamente orientar. A orientação minha para a PF é clara: investiguem quem quiser, doa a quem doer, mas cumpram a lei”.
Odebrecht tenta anular provas da Lava Jato | Brasil 24/7


Seguidores