Assuntos de Goiás TV

domingo, 6 de outubro de 2013

Gilson Caroço desfilia-se do PTN

Questão Brasil
Gilson Caroço estuda convites para se filiar, mas sem pressa, já que
não vai participar como candidato da corrida eleitoral do ano que vem
Gilson José de Meneses, o popular Gilson Caroço, esta deixando o PTN por não ter constatado na prática o respeito ao pluralismo de ideias, que é consagrado no estatuto partidário, mas que acabou por não se confirmar na prática.

O PTN é um partido nanico, que no papel tem propostas claras para a sociedade goiana, mas o mesmo partido que prega a democracia interna, a articulação com os movimentos sociais e o livre debate de ideias, não apoia seus filiados e não ouve o que eles têm a dizer.

Gilson Caroço manteve se fiel aos seus princípios e mais ainda aos seus eleitores que depositaram nele a confiança para que disputasse as últimas eleições municipais em Goiânia, e foi fiel ao partido, que acreditava ser um defensor da democracia e contra retrocessos autoritários em defesa de um povo que não tolera mais o fisiologismo político e casos de corrupção que quase sempre ficam impunes.

A decisão choca alguns, a quem Gilson Caroço explica que sua atitude não traz prejuízo ao seu idealismo, por não ser detentor de mandato e não ter a pretensão de ser candidato em 2014, o fez repensar se valia a pena à permanência no partido, pois não pode militar em um partido que não cumpre o que prega e não dá o apoio necessário aos seus filiados.

Gilson Caroço Continua acreditando que a reforma política e, consequentemente, a exigência do cumprimento de um prazo mínimo de filiação dos candidatos, são absolutamente necessários para a depuração da atividade pública.
Reitera que suas convicções continuam as mesmas e que vai estudar melhor os convites que recebeu para filiar-se, e enfim militar por uma legenda que defenda as mesmas ideias que as suas, e jamais se esqueça de defender os direitos do cidadão.

Como a maioria da população, Gilson Caroço considera que a política deve ser exercida com decência e ética. Acredita que o político deve filiar-se e permanecer em uma legenda, com coerência, defendendo os ideais do partido, mas mantendo-se fiel as suas próprias convicções.

A fidelidade partidária não pode ser usada como desculpa para punir quem age em consonância com os interesses populares. Feliz do político que age com a sua consciência e tem o discernimento para entender que o povo é que é o seu verdadeiro patrão.
Leia: 'Caberia mais humildade a Marina Silva', diz José Dirceu - Terra Brasil

Seguidores